Solte o tigre que tem dentro de você!
janeiro 17, 2013, 2:08 am
Filed under: Fã de carteirinha

tumblr_mg3zepBUuM1rdktxgo1_500_large

Hoje fui ver Life of Pi, aportuguesando ‘As Aventuras de Pi’ (por que não colocam Vida de Pi? Fica bem mais emocionante). Confesso que o filme é muito bom e lindo, os efeitos são demais e a direção está de parabéns. Com certeza, algum prêmio do Oscar vão faturar. Mas a questão que eu venho compartilhar com vocês não é esta, mas sim aquela que o filme quis mostrar que me deixou muito pensativa por algumas horas.

Apesar de Richard Parker, o Tigre de Bengala, ser selvagem e não ter os sentimentos que os próprios humanos tinham, ajudou Pi a sobreviver tanto tempo naquele naufrágio, pois Pi nunca esteve sozinho e o animal o fez criar força e coragem para enfrentar qualquer obstáculo que pudesse surgir naquele oceano infinito.

Mas conforme o filme foi chegando ao fim, consegui entender o que realmente se tratava: Richard Parker era o outro lado de Pi. O lado feroz, o lado corajoso, o selvagem que, com a ajuda de Deus na possibilidade da vida, o fez sobreviver até terra firme.

Cheguei a conclusão que cada um de nós possuímos dois lados que vivem em uma intensa relação de dependência. Não conseguimos distingui-los facilmente, e particularmente nem acho possível, mas, com certeza, cada um deles surgirá repentinamente em momentos diferentes de nossa vida,  quando precisamos de algo a mais para ficarmos erguidos junto com a presença que sentiremos de Deus. Exatamente como aconteceu com Pi.



Limpando as teias…
janeiro 8, 2013, 11:39 pm
Filed under: Sem categoria

ImagemNão sei como posso começar a escrever aqui, estou desacostumada. Depois de aproximadamente dois anos de abandono, me deu uma vontade louca de começar a escrever sem parar em um cantinho só meu e aberto para vocês.

Muita coisa mudou. Os textos melancólicos de amor não correspondido que escrevia antes vão parar de aparecer por aqui por um motivo óbvio e bem simples: não estou sofrendo por amor. Estou muito bem agora compartilhando a minha vida com aquele que me fez sofrer. Bem contraditório, não? E o mais incrível ainda: o dito cujo que eu mencionava sempre nos posts voltou a me procurar por causa dos textos publicados neste blog. É, como a vida nos surpreende.

Limpando as teias, descobri que os concursos dos quais participava tomaram o mesmo caminho que o meu blog.. pararam no tempo. É uma pena, pois eles também fizeram parte no incentivo de eu amar tanto uma escrita e/ou uma leitura.

Mas todo sumiço sempre tem uma causa principal. Quando nos empenhamos profundamente em algo, é normal esquecer de outras coisas. Pois é, foi isso que aconteceu. A tal temida palavra “vestibular” conseguiu ser dona de mim e me fez virar de ponta cabeça. Mas agora que estou menos atarefada (obrigada, férias), vou tentar o máximo voltar aqui e colocar o papo e, principalmente, meus pensamentos em dia.

A vida continuou, e o blog não pode parar. Até mais pessoas lindas!

Ass: Duda Gérry



O outro lado
maio 13, 2011, 12:22 am
Filed under: Próprias alienações...

Meu ideal seria escrever sobre a vida e tudo o que ela proporciona de bom a mim. Mas por que temos só olhos para as coisas que nos fazem tristes?

E aquela risada de manhã? E aquele amor correspondido? E aquele bolo quente no final da tarde? E aquelas compras de até estourar o cartão de crédito? E as músicas escutadas que fazem te dar um sorrisinho no canto da boca? Cadê o significado das coisas boas? Cadê a importância que deveríamos dar?

Mas, quando deparamos com algo que nos deixa tristes, é como se o universo virasse de pernas para o ar sem saída e transformamos o problema em um mundo maior que o nosso.

Esquecemos que tudo passa e que no final sempre dá certo. E o pior: esquecemos que ser feliz  é a melhor coisa que existe. Porque a felicidade é um imã para atrair todos os elementos positivos de nossa vida.

Acredite nisso e comece a escrever.



A Guerra continua
março 9, 2011, 10:17 pm
Filed under: Sem categoria

Lembro-me como se fosse ontem a sensação de te ter por perto no começo de tudo. Deitava a cabeça no travesseiro,  abraçava a sua blusa e sentia o seu cheiro sempre. Peguei a sua mania de ouvir música antes de dormir, e quando faço isso agora, sem você, me dá um aperto no coração.

Lembro-me da primeira vez que te vi, quando você veio até mim e ficamos a tarde toda juntos. Lembro-me dos primeiros lugares que a gente foi  e como eu me sentia bem. Lembro-me do primeiro mês inteirinho e guardo comigo cada detalhe, cada palavra e cada atitude sua. Lembro-me do seu olhar, do seu cheiro e do seu sorriso.

Agora, tudo isso, é apenas lembranças.

No começo, confesso que fiquei em dúvidas, porque tive medo de sofrer como eu estou sofrendo agora. E você me prometeu que não iria me machucar. Você prometeu ir comigo até o inferno.

Às vezes, penso que te esqueci devido as pessoas que entram em minha vida. Mas elas entram e saem. Você permanece.

E toda vez quando ouço alguma música que lembra a gente, toda a nossa história me passa como um filme em câmera lenta e um sorriso no canto de minha boca aparece, automaticamente.

Tenho a leve impressão que todos estes sintomas são de uma garota apaixonada e com um sentimento bem dificil de acabar. Infelizmente.



Siga as instruções de uma vida sem saudade.
janeiro 30, 2011, 3:32 pm
Filed under: Sem categoria

Sabe aquela história da borboleta? Pois é, sumiu. Não sei onde foi parar e nem deu satisfação para fugir assim, do nada. E aquela velha história de sofrer por amor voltou a me atormentar. Sofrer por um velho amor.

Ouvir músicas e sonhar constantemente não me ajuda a esquecer de você fácil. Parece que ainda tenho 1% de esperanças em te encontrar novamente e nos entendermos da melhor forma possível. A gente já fez isso, mas friamente e não como eu queria. Infelizmente.

Eu quero uma forma de ocupar a minha mente com outras coisas, sem ser você. Quero te copiar. Só que não tenho um coração frio feito gelo. Sou sensível e amante.

Ah, mas como eu sinto vontade de dizer novamente tudo o que eu sinto e tudo o que está prestes a sair da minha garganta e dos meus olhos, em lágrimas.

Como diz o Hateen, quero viver uma vida sem saudade!

“Vou te ligar e te dizer que sinto falta e enlouquecendo ouvindo a sua voz dizer: me liga agora e vai saber se o meu mundo ainda é você.”



Grandes borboletas pequenas…
janeiro 4, 2011, 3:58 am
Filed under: Próprias alienações...

Estou com uma vontade tremenda de virar uma borboleta agora. De voar, voar, voar sem destino e sem direção até encontrar um lugar calmo e com luz. Estou me sentindo livre igual a elas. Não há mais barreiras e não há mais tristeza. Espero.

Aliás, pode até ter sim, mas vou ser forte e voar para bem longe delas, porque tudo já está resolvido. Não há mais tensão, ansiedade e, infelizmente ou felizmente, esperanças.

Não sei se eu estou fazendo um caminho certo, mas irei vê-lo o que é certo, errando. Estou com o meu pensamento e minha consciência limpa para vivenciar novas experiências. A vida está me obrigando a isso.

Não sei realmente como eu estou me sentindo, mas é como se uma de minhas asas querer repousar e esperar mais um pouco caso aconteça alguma surpresa, e a outra asa querer voar para o infinito.

Ao som de Remembering Sunday, não fico triste agora. Fico leve. Fico bem. Quero viver a minha vida feliz, com ou sem a sua vida ao meu lado, independente de como seja. Quero ser essa borboleta voando tranquilamente e procurando um lugar favorável a ela para pousar. E ali ficar.

Duda Gérry



Love sucks?
dezembro 20, 2010, 2:21 am
Filed under: Próprias alienações...

Pelos meus próprios pensamentos e desvaneios, depois de um sofrimento amoroso contínuo, vem a fase de extremo gelo, onde não acredita-se mais em tudo o que dizem, não acredita-se em achar alguém para fazê-la feliz novamente, não acredita-se mais no amor. Não consigo saber ainda se tudo isso é bom ou ruim.

Uma das consequências mais notadas depois de tudo foi o amadurecimento e a parte de deixar a emoção de lado e pensar um pouco na razão. Minha mente seguiu o meu coração para crescerem juntos e achar um equilíbrio para viver. Porém, por estar pouco sensível, desacreditada, e menos derretida por palavras de meninos, este equilibrio está sendo procurado ainda. É meio dificil ver que não consigo achar alguma forma para acreditar em amar novamente depois de tudo o que passei.

Tenho colocado a responsabilidade em amenizar este fato no tempo. Dizem que ele resolve tudo, e acreditar que é apenas uma fase e que logo acabará. É muito dificil uma menina sonhadora e romântica se acostumar a nova vida amorosa, mas para um lado é bom, visto que assim não irá amar, e logo, não irá sofrer.

Que isto não dure por muito tempo, por favor.