Apenas uma reflexão de tarde
setembro 28, 2010, 9:01 pm
Filed under: Próprias alienações...

Noto três crianças descendo em uma rua, brincando de pega-pega. Olho para baixo, e vejo cachorros pulando e correndo pra lá e pra cá. Ao meu redor, vejo poucas pessoas andando, e a minha frente um muro.

Um muro antigo, cinza e cheio de manchas. É como se fosse, exclusivamente para mim, um limite de alguma coisa. Volto a me concentrar no motivo principal de eu estar às 17h30 da tarde, em um dia frio e nublado sentada em uma calçada em construção sozinha. Ele não vai vir, ele não vai ligar. Não ter esperanças nessas horas às vezes é uma boa escolha. E não esperar dos outros também. Colocar em minha mente que posso reverter essa situação é perda de tempo, sendo que não depende só de mim. Depende dos dois.

Olho para cima e vejo alguém vindo em minha direção. É ele, é ele… Não. Não é.

Os meus olhos já estão cansados de se moverem para cima e para baixo a fim de encontrar algo que queira ver. Eles se sentem mais relaxados ao ver o muro, como se fossem abrir um portão para ir mais adiante dele. Mas não tem como.

Reparo novamente nas três crianças brincando. Elas que não tem nenhuma preocupação e nem mente pessimista, e principalmente que vivem o agora, diferente de uma menina que busca algo, mas tem a certeza de que não irá alcançar, e prefere observar o muro tentando achar alguma solução para tudo isso.



Desejo de muitos, dádiva de poucos
setembro 5, 2010, 9:25 pm
Filed under: Próprias alienações...

Pode parecer que quando se está bem, a felicidade caminha lado a lado, te fazendo a pessoa mais feliz do mundo, com um sentimento de eternidade. Porém, quando, de repente, algo te abala, um sentimento totalmente ao contrário te completa, como a tristeza e a angústia. Mas aí vem a pergunta: se tivessemos realmente a felicidade dentro de si, teriam momentos tristes?

A felicidade é algo incondicional, um sentimento diferente de encontrar no ser humano. Ao falar-se que está feliz, na verdade, está vivendo momentos felizes, que irão terminar logo quando se deparar com algo deprimente, tornando o momento triste. Momentos. É algo que define a vida da maioria das pessoas, porque a felicidade em si nada nem ninguém conseguiria destruir e abalar. É viver intensamente cada minuto como se fosse único, não se importando com a maldade do mundo, o que é quase impossível nos dias de hoje.

Para buscar essa tal felicidade, devemos dar valor às coisas simples da vida, ter paz interior, não se apegar totalmente à matéria, é ter amor próprio. Com ela, é notável a evolução social, moral e principalmente espiritual.

Se deparar com uma pessoa que, apesar de seus problemas, estar de bem com a vida, pode ter certeza que ela encontrou uma parte de sua felicidade, porque a outra parte não se encontra aqui.

Sentimentos perfeitos na sua pureza, como a felicidade e o amor, são extremamente difíceis de serem sentidos, porém resta a esperança de encontrá-los pois é real a existência dos mesmos, ainda que distante.