True love, where are you?
dezembro 4, 2010, 11:28 pm
Filed under: Próprias alienações...

Hoje em dia, um ‘eu te amo’ ou um ‘vai ser pra sempre’ está sendo falado como um bom dia,  um tchau, até logo. As pessoas não sabem tamanho significado que essas duas frasezinhas, entre outras, possuem. Estas pessoas esquecem das suas mentes vulneráveis e que nada é eterno.

Basta se conhecer em alguma festa ou até mesmo em rede social, e depois de umas duas semanas já começam a falar essas frases mágicas. Aliás, deixaram de ser mágicas a partir do uso inadequado delas.

Se um dia estivessem convictos do sentido real dessas frases, uma parte deste mundo seria frio feito uma pedra de gelo. Só que teriam também as chamas de fogo ardentes, que veriam e sentiriam o verdadeiro e admirado amor.

Anúncios


amor, amor, desamor.
novembro 10, 2010, 3:38 pm
Filed under: Próprias alienações...

“Eu não odeio esta fase, afinal creci.” (Rancore)

Concordo parcialmente com essa frase. Está claro que de tudo o que passei, aprendi a não me iludir com apenas palavras, a dar importância ao tempo e me amar acima de todas as coisas. Mas eu odeio sentir a sua falta.

Eu sei que não vai adiantar nada, mas queria te dizer que estou com saudades de ouvir Remembering Sunday e ficar feliz; da sua carinha fofa quando colocava um boné de aba reta e daquela também tirando sarro de mim; daqueles carinhos acolhedores, da sua voz, de você me chamando de feia e ficando sempre bravo comigo; tenho saudades de quando você não me entendia. Tenho saudades do amor que você dizia sentir por mim, dos nossos planos e do seu beijo. Tenho e morro de saudade de você.

Depois de tudo o que passou, não sou uma ser humana que tem um coração feito gelo e esquecer tudo em um piscar de olhos. Pode até ser um erro meu, mas quando eu me envolvo, eu faço isso intensamente.

Eu sei que não vai ter volta, mas isso não quer dizer que eu não queira. Apenas não vai ter porque não conseguimos mudar o nosso jeito de ser para agradar as pessoas. Os nossos defeitos, independente de qualquer coisa, estarão com a gente pra sempre. E uma pessoa que não aceita isso é a mesma coisa que não me aceitar e não me amar. E não existe um relacionamento sem amor.

Odeio quando te vejo depois de tudo isso que aconteceu e de sentir ainda borboletas no meu estômago. Odeio você me ignorar e nem ligar para a minha existência, de ver que você está muito bem sem mim.

Posso te chingar, ficar com raiva e dizer da boca pra fora que não preciso de você, mas todo mundo precisa de alguém. Porém, depois eu vejo que estou me enganando, porque está sendo bem dificil sobreviver sem você aqui, comigo.

Já tentei preencher o vazio que existe em mim, mas a única pessoa que tem o encaixe perfeito para isso é você. Então concluo que este buraco vai durar por muito tempo…

Ass: Duda Gérry



Apenas uma reflexão de tarde
setembro 28, 2010, 9:01 pm
Filed under: Próprias alienações...

Noto três crianças descendo em uma rua, brincando de pega-pega. Olho para baixo, e vejo cachorros pulando e correndo pra lá e pra cá. Ao meu redor, vejo poucas pessoas andando, e a minha frente um muro.

Um muro antigo, cinza e cheio de manchas. É como se fosse, exclusivamente para mim, um limite de alguma coisa. Volto a me concentrar no motivo principal de eu estar às 17h30 da tarde, em um dia frio e nublado sentada em uma calçada em construção sozinha. Ele não vai vir, ele não vai ligar. Não ter esperanças nessas horas às vezes é uma boa escolha. E não esperar dos outros também. Colocar em minha mente que posso reverter essa situação é perda de tempo, sendo que não depende só de mim. Depende dos dois.

Olho para cima e vejo alguém vindo em minha direção. É ele, é ele… Não. Não é.

Os meus olhos já estão cansados de se moverem para cima e para baixo a fim de encontrar algo que queira ver. Eles se sentem mais relaxados ao ver o muro, como se fossem abrir um portão para ir mais adiante dele. Mas não tem como.

Reparo novamente nas três crianças brincando. Elas que não tem nenhuma preocupação e nem mente pessimista, e principalmente que vivem o agora, diferente de uma menina que busca algo, mas tem a certeza de que não irá alcançar, e prefere observar o muro tentando achar alguma solução para tudo isso.



Desejo de muitos, dádiva de poucos
setembro 5, 2010, 9:25 pm
Filed under: Próprias alienações...

Pode parecer que quando se está bem, a felicidade caminha lado a lado, te fazendo a pessoa mais feliz do mundo, com um sentimento de eternidade. Porém, quando, de repente, algo te abala, um sentimento totalmente ao contrário te completa, como a tristeza e a angústia. Mas aí vem a pergunta: se tivessemos realmente a felicidade dentro de si, teriam momentos tristes?

A felicidade é algo incondicional, um sentimento diferente de encontrar no ser humano. Ao falar-se que está feliz, na verdade, está vivendo momentos felizes, que irão terminar logo quando se deparar com algo deprimente, tornando o momento triste. Momentos. É algo que define a vida da maioria das pessoas, porque a felicidade em si nada nem ninguém conseguiria destruir e abalar. É viver intensamente cada minuto como se fosse único, não se importando com a maldade do mundo, o que é quase impossível nos dias de hoje.

Para buscar essa tal felicidade, devemos dar valor às coisas simples da vida, ter paz interior, não se apegar totalmente à matéria, é ter amor próprio. Com ela, é notável a evolução social, moral e principalmente espiritual.

Se deparar com uma pessoa que, apesar de seus problemas, estar de bem com a vida, pode ter certeza que ela encontrou uma parte de sua felicidade, porque a outra parte não se encontra aqui.

Sentimentos perfeitos na sua pureza, como a felicidade e o amor, são extremamente difíceis de serem sentidos, porém resta a esperança de encontrá-los pois é real a existência dos mesmos, ainda que distante.



Civilização civilizada?
agosto 19, 2010, 12:19 am
Filed under: Próprias alienações...

Décadas passadas, alguns países como o Brasil viviam na ditadura, onde era proibido e julgado qualquer tipo de comentário ou pensamento. Expor opiniões não existia. Depois, passou a ser democrata, com direito a liberdades de expressão. Porém, essa liberdade gerou um exagero na sociedade, causando um vasto desequilíbrio.

Está evidente no mundo que cada ser humano possui um jeito diferente de questionar e de ver cada detalhe. De maneira civilizada, passariam a ouvir cada opinião diferente da sua e as respeitariam. Isso aumentaria o grau de seu aprendizado por causa de apenas uma pessoa. Infelizmente, o homem devido ao seu egoísmo e a sua ignorância, por causa de apenas uma pessoa também, pode ultrapassar os seus limites, a insultando grosseiramente, apenas por tentar expor a sua opinião. Surge a incivilidade.

Isto acontece pelo simples fato de terem liberdade excessiva, necessidade de mostrar o seu direito além do normal e sem limite, e de terem, principalmente, um sentimento de individualismo, pensando só no bem próprio.

Na sociedade, é preciso harmonia, respeito, tolerância e saber lidar com respostas e opiniões que não condizem com as suas. A civilidade é dependente do governo, das ações mundiais, e certamente das pessoas que a constituem. A ligação entre elas é algo inevitável e indispensável, por isso temos que usá-la de maneira coerente e humana.



Escrever aqui, viver ali
julho 23, 2010, 2:33 am
Filed under: Participo!, Próprias alienações...

A mesma mesa, a mesma caneta, os mesmos costumes, a mesma rotina. Porém rotina válida, cujo resultado é para apenas sua necessidade de viver, ganhando lucros e tendo seus bens. É isso que ela diz. Mas no fundo, bem no fundo, ela gosta de tudo isso.

Gosta de escrever, de mostrar suas opiniões e principalmente seus sentimentos. Eu sei que ela não continua sem praticar esse divino dom de colocar toda a sua alma em um simples papel. Viaja sem direção até um ponto final satisfatório, e se existe esse ponto. Seus pensamentos mirabolantes insidem na folha como uma luz bem clara, parecendo entrar no mundo que ela mesma cria. Um mundo parado apenas para ela e a caneta.

Está óbvio que ela ama tudo isso e que não viveria sem. Está claro em seus comportamentos, em seus olhos, em suas mãos se mexendo incontrolavelmente ao escrever apenas palavras.  É o seu simples ar de escritora.

– pauta para Palavras Mil



Bem-vindo, lindo.
julho 2, 2010, 8:53 pm
Filed under: Próprias alienações...

Domingo. Para alguns pode ser o fim de uma semana cansativa, que no dia seguinte começa a rotina novamente. Pode ser o dia de descansar. Ou até o dia que reune todos os familiares e amigos para se divertir. Mas para exceções, pode ser o começo de tudo. O começo de uma nova amizade, ou até o começo de uma briga. Mas o que estou referindo é o começo de um amor. E de um grande período em que o coração é o protagonista.

Troca de olhares, dança, amigos em comum. Mais trocas de olhares, noite rolando, conversas jogadas fora. Apresentação. A sós. Conversas. Vergonha, muita. Huuum… não sei. Insistência. Vontade. Contatos, tatos, paladar. Sonho? Não, realidade.

Abraço, carinho, atenção, envolvimento, paixão. Amor. Bem-vindo ao meu coração, lindo.

Eternidade? Enquanto dure. ♥