amor, amor, desamor.
novembro 10, 2010, 3:38 pm
Filed under: Próprias alienações...

“Eu não odeio esta fase, afinal creci.” (Rancore)

Concordo parcialmente com essa frase. Está claro que de tudo o que passei, aprendi a não me iludir com apenas palavras, a dar importância ao tempo e me amar acima de todas as coisas. Mas eu odeio sentir a sua falta.

Eu sei que não vai adiantar nada, mas queria te dizer que estou com saudades de ouvir Remembering Sunday e ficar feliz; da sua carinha fofa quando colocava um boné de aba reta e daquela também tirando sarro de mim; daqueles carinhos acolhedores, da sua voz, de você me chamando de feia e ficando sempre bravo comigo; tenho saudades de quando você não me entendia. Tenho saudades do amor que você dizia sentir por mim, dos nossos planos e do seu beijo. Tenho e morro de saudade de você.

Depois de tudo o que passou, não sou uma ser humana que tem um coração feito gelo e esquecer tudo em um piscar de olhos. Pode até ser um erro meu, mas quando eu me envolvo, eu faço isso intensamente.

Eu sei que não vai ter volta, mas isso não quer dizer que eu não queira. Apenas não vai ter porque não conseguimos mudar o nosso jeito de ser para agradar as pessoas. Os nossos defeitos, independente de qualquer coisa, estarão com a gente pra sempre. E uma pessoa que não aceita isso é a mesma coisa que não me aceitar e não me amar. E não existe um relacionamento sem amor.

Odeio quando te vejo depois de tudo isso que aconteceu e de sentir ainda borboletas no meu estômago. Odeio você me ignorar e nem ligar para a minha existência, de ver que você está muito bem sem mim.

Posso te chingar, ficar com raiva e dizer da boca pra fora que não preciso de você, mas todo mundo precisa de alguém. Porém, depois eu vejo que estou me enganando, porque está sendo bem dificil sobreviver sem você aqui, comigo.

Já tentei preencher o vazio que existe em mim, mas a única pessoa que tem o encaixe perfeito para isso é você. Então concluo que este buraco vai durar por muito tempo…

Ass: Duda Gérry

Anúncios